.

.
.

sexta-feira, 19 de março de 2010

RADIACAIS LATINOS

Blogger mcbspf disse...

MORFOLOGIA - LISTA DE RADICAIS LATINOS/ROMANOS
LISTA DE PALAVRAS LATINAS/ROMANAS



1. AGRI
2. ALI/ALA
3. AMBI
4. ANTE
5. ANTI
6. API
7. ARBORI
8. ARMI
9. AVI
10. BELI
11. BENE
12. BI/BIS
13. CALORI
14. CARNI
15. CENTRI
16. CIDA
17. CIRCUN
18. COLA
19. COM/CON
20. CONTRA
21. CRUCI
22. DE
23. DENTI
24. DES
25. DIS/DI
26. ENDO
27. EQUI
28. EU
29. EX
30. EXTRA
31. FERO
32. FICO
33. FILI
34. FORME
35. FRATRI
36. FUGO
37. GENA
38. GERO
39. HIPER
40. HIPO
41. IGNI
42. IN
43. INFANTI
44. INFRA
45. INTER
46. INTRA
47. JUSTA
48. MAGNI
49. MATRI
50. MULTI
51. NOCTI
52. OB/O
53. ONI
54. PARA
55. PATRI
56. PEDI/PEDE
57. PER/POR
58. PERI
59. PISCI
60. PLURI
61. POST/POS
62. PRE
63. PRO
64. QUADRU
65. RE
66. RETI
67. RETRO
68. SEMI
69. SESQUI
70. SOTO/SOTA
71. SUB/SOB
72. SUI
73. SUPRA
74. TRANS/TRES
75. ULTRA
76. UNI
77. VERI
78. VERMI
79. VICE/VIS
80. VINI

19 de março de 2010 16:18

domingo, 14 de março de 2010

A FORMAÇÃO DA LÍNGUA PORTUGUESA: ORIGEM E EVOLUÇÃO – PARTE 1 – HISTÓRIA - MUSEU DA LÍNGUA PORTUGUESA




Sêmen Mestre Ambrósio Composição: Siba e Bráulio Tavares Nos antigos rincões da mata virgem Foi um sêmen plantado com meu nome A raiz de tão dura ninguém come Porque nela plantei a minha origem Quem tentar chegar perto tem vertigem Ensinar o caminho, eu não sei Das mil vezes que por lá eu passei Nunca pude guardar o seu desenho Como posso saber de onde venho Se a semente profunda eu não toquei? Esse longo caminho que eu traço Muda contantemente de feição E eu não posso saber que direção Tem o rumo que firmo no espaço Tem momentos que sinto que desfaço O castelo que eu mesmo levantei O importante é que nunca esquecerei Que encontrar o caminho é meu empenho Como posso saber de onde venho Se a semente profunda eu não toquei? Como posso saber a minha idade Se meu tempo passado eu não conheço Como posso me ver desde o começo Se a lembrança não tem capacidade Se não olho pra trás com claridade Um futuro obscuro aguardarei Mas aquela semente que sonhei É a chave do tesouro que eu tenho Como posso saber de onde venho Se a semente profunda eu não toquei? Tantos povos se cruzam nessa terra Que o mais puro padrão é o mestiço Deixe o mundo rodar que dá é nisso A roleta dos genes nunca erra Nasce tanto galego em pé-de-serra E por isso eu jamais estranharei Sertanejo com olhos de nissei Cantador com suingue caribenho Como posso saber de onde venho Se a semente profunda eu não toquei? Como posso pensar ser brasileiro Enxergar minha própria diferença Se olhando ao redor vejo a imensa Semelhança ligando o mundo inteiro Como posso saber quem vem primeiro Se o começo eu jamais alcançarei Tantos povos no mundo e eu não sei Qual a força que move o meu engenho Como posso saber de onde venho Se a semente profunda eu não toquei? E eu Não sei o que fazer Nesta situação Meu pé... Meu pé não pisa o chão.
18 de março de 2010 10:54

.

.
.
Ocorreu um erro neste gadget

É O QUE TEM PRA HOJE: "POUCO PAPO E SÓ... SU-CEEEEEEES-SO!!!"



"SIGAM-ME OS BONS" - Maria Celeste Bsp | Facebook

Google+ Followers

EU SOU POLIVALENTE!

EU SOU POLIVALENTE!