.

.
.

terça-feira, 4 de setembro de 2012

ESTUDAR VALE A PENA! - Quem ainda tem dúvidas que os nerds dominaram o mundo?

PESSOAS QUE VENCERAM ATRAVÉS DOS ESTUDOS


Feliz da vida
Feliz da vida
Mark Zuckerberg, fundador e CEO do Facebook está atualmente mais rico que os fundadores do Google, Sergey Brin e Larry Page. Ele atingiu a marca de US$ 17,5 bilhões subindo da 35ª posição em 2010 para a 14ª posição da lista Forbes dos mais ricos dos Estados Unidos.
Brin e Page ficaram juntos (engraçado, será que eles dividem até os centavos que ganham?) na 15ª posição com US$ 16,7 bilhões.
Os primeiros da lista foram Bill Gates, que aumentou sua fortuna em US$ 5 bilhões, Warren Buffett e Larry Ellison – para quem não sabe, fundador da Oracle.
Veja a lista completa com os 400 mais ricos dos Estados Unidos aqui.
Fonte:http://nerdinfo.com.br/tag/ricos/
segunda 13 agosto 2012 15:27 , em PESSOAS QUE VENCERAM ATRAVÉS DOS ESTUDOS

Jovens que venceram através dos estudos ( revista Veja)

Blog de escoladosonhos :Professora Elisângela, Jovens que venceram através dos estudos ( revista Veja)
Educação
Do zero ao topo do ranking
A história dos cinco jovens que venceram
a miséria, entraram na universidade e estão
hoje entre os melhores alunos do país
Blog de escoladosonhos : Professora Elisângela, Jovens que venceram através dos estudos ( revista Veja)
Camila Antunes

Fotos Anderson Schneider e Nabor Goulart
Blog de escoladosonhos : Professora Elisângela, Jovens que venceram através dos estudos ( revista Veja)
Blog de escoladosonhos : Professora Elisângela, Jovens que venceram através dos estudos ( revista Veja)
ALFABETIZADA NA ROÇA PELA IRMÃ MAIS VELHA
A brasiliense Natalina Pinheiro, campeã no curso de biblioteconomia: os pais analfabetos realizaram o sonho de ver três dos doze filhos chegar ao fim da universidade
ACAMPADA NUMA SALA DE AULAA gaúcha Theilis Pereira, primeira colocada em arquivologia, não desistiu ao ouvir que não havia vagas no dormitório da universidade: "Minha única chance era seguir com os estudos"
A gaúcha Theilis Pereira, 25 anos, chamou atenção em sua estréia na universidade. Enquanto os colegas carregavam livros e mochilas, a jovem trazia nas costas um colchonete. Sua única chance de seguir com os estudos seria morar no campus. Theilis ouviu de um funcionário que o alojamento estava lotado e, até que surgisse uma vaga, passou um mês acampada em uma sala de aula vazia. Filha de um mestre-de-obras e de uma empregada doméstica, ambos semi-analfabetos, Theilis concluiu, com louvor, no ano passado o curso de arquivologia na Universidade Federal de Santa Maria, a 100 quilômetros de Caçapava do Sul, sua cidade natal. De acordo com o novo Enade, prova aplicada aos universitários pelo Ministério da Educação (MEC), a jovem gaúcha é uma das melhores estudantes do país e aparece em primeiro lugar em sua área: tirou nota 8,3 – num exame cuja média geral não ultrapassou 4,5. Dos vinte campeões no ranking oficial, outros quatro, além de Theilis, surpreendem por contrariar uma velha lógica: enquanto a maioria dos bons universitários vem de famílias mais escolarizadas e de renda mais alta, esses estudantes se destacaram em meio à escassez absoluta.
Antes de chegarem em primeiro lugar na prova do MEC, os cinco campeões mais pobres venceram uma peneira ainda pior. Todo ano, dos 2 milhões de estudantes egressos de escolas públicas, como eles, apenas 100 000 chegam à universidade. Isso mesmo: 1,9 milhão, ou 95% dos jovens brasileiros, ficam longe das salas de aula por volta dos 18 anos. Theilis e o restante do grupo abriram mão de programas noturnos e vararam madrugadas sobre os livros (muitas vezes com uma lanterna na mão para não incomodar os irmãos) na tentativa de superar a má formação escolar – e passar no vestibular. A desvantagem dos campeões não era pequena: com base em dados do MEC, sabe-se que alunos de escola pública registram, em média, atraso de quatro anos nas matérias. Foi essa lacuna que eles venceram, em primeiro lugar. Depreende-se ainda um segundo fato em comum ao grupo: apesar de virem de famílias cujos pais não têm estudo e vivem com dois salários mínimos por mês, esses estudantes receberam toda espécie de incentivo para não desistir da escola nem da universidade. "A vida inteira foi assim: o trocado que sobrava no bolso ia para a compra de livros e jornais", conta o aposentado Antônio Santos, pai de três filhos que chegaram à universidade. Um deles, Alessandro, surgiu na lista do MEC como o melhor do país em relações públicas, notícia que fez Antônio encher-se de emoção – e vaidade. "Tenho dificuldade em ler, mas sempre soube que investir em estudo era o certo na vida."
Nos últimos quatro anos, Antônio, que ganha 500 reais por mês, rachou com o filho as mensalidades da faculdade, enquanto a irmã mais velha lhe financiou as passagens de ônibus. Até tomar a decisão de ingressar numa instituição particular, a Cásper Líbero, o jovem Alessandro, morador de Taboão da Serra, cidade na periferia da capital paulista, havia amargado dois fracassos no vestibular da Universidade de São Paulo (USP). É o que ocorre com 96% dos jovens de estratos de renda mais baixos quando tentam entrar na USP. A maioria desiste do sonho universitário. Alessandro, por sua vez, empregou-se como caixa de supermercado na rede Wal-Mart para bancar os estudos numa faculdade particular. "Varro o chão, empacoto a comida e, quando dá tempo, leio João Cabral de Melo Neto." Sua rotina, semelhante à dos estudantes mais pobres que sobressaíram no ranking oficial, de novo enfatiza a idéia de que o esforço pode, sim, neutralizar um ponto de partida ruim nos estudos. Alessandro acorda todos os dias às 6 horas, volta para casa depois da meia-noite e estuda com disciplina nos raros intervalos. Com olheiras, mas animado, começou a colher os resultados. Na semana passada, foi avisado de que receberá uma promoção no supermercado, com chance de atuar, afinal, na área em que se graduou.

Julia Moraes
Blog de escoladosonhos : Professora Elisângela, Jovens que venceram através dos estudos ( revista Veja)
Marcelo EliasBlog de escoladosonhos : Professora Elisângela, Jovens que venceram através dos estudos ( revista Veja)
O DIPLOMA AJUDOU
Alessandro Santos, campeão do curso de relações públicas (à esq.), e Juliano de Andrade, o melhor em ciências contábeis, já colhem os resultados do diploma universitário: o primeiro, que trabalha como caixa de supermercado, será promovido; o outro tornou-se chefe e recebe hoje o dobro do salário
O jovem de Taboão da Serra e seus colegas em destaque no Enade experimentam aquilo que os teóricos não se cansam de repetir – e quantificar: quanto mais se estuda, maiores são as oportunidades de um bom emprego. Quem conclui a universidade tem salários, em média, 168% superiores aos daqueles que não passam do ensino médio, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Sem o diploma, Juliano de Andrade estava estacionado em um salário de 1.000 reais, que recebia havia dez anos numa firma de contabilidade de Curitiba. Filho de uma família pobre, tinha até então passado de office-boy a contador por puro esforço, mas se deu conta de que precisava estudar mais para subir na empresa. Aos 28 anos, fez cursinho (onde cultivou fama de aluno exemplar) e passou – em primeiro lugar – em ciências contábeis na Universidade Federal do Paraná, feito que repetiu, agora, com o Enade. O diploma ajudou. O salário de Juliano logo dobrou e, aos 33 anos, ele ganhou um cargo de chefia e novo ânimo para os estudos: "Vou até o doutorado".
Ao jogar luz sobre histórias como as de Juliano, Alessandro e Theilis, o MEC não só enfatiza uma idéia simples, de que empenho fora do comum traz ótimos resultados, como também põe em prática algo raro no país: uma política de estímulo ao mérito. Os vinte campeões do Enade serão premiados com uma vaga de mestrado numa universidade a sua escolha, com ajuda financeira incluída. Para a brasiliense Natalina Pinheiro, 22 anos – a filha de caseiros que foi alfabetizada na roça pela irmã mais velha –, é muito além do que havia planejado na infância. "Peguei muito livro emprestado sonhando um dia pelo menos chegar à universidade", diz a moça, hoje formada em biblioteconomia pela Universidade de Brasília. Para jovens como ela, ter o talento – e o esforço – reconhecido já é, por si só, um incentivo para que estudem mais. A divulgação do ranking do MEC também deu a esses estudantes nova dimensão em suas respectivas vizinhanças: eles se tornaram uma espécie de celebridade local. A melhor estudante do país no curso normal (de ensino superior), Fabiana Vicente, 26 anos, não pode sair à rua que esbarra com uma fila de pessoas lhe dando abraços e parabéns. Em Pedro Leopoldo, município a 45 minutos de Belo Horizonte, há pelo menos dez faixas em homenagem a ela. Diz a pragmática filha de um mecânico e de uma ex-empregada doméstica: "Estudei muito, sim. Quem quer melhorar de vida não tem tempo a perder".
Blog de escoladosonhos : Professora Elisângela, Jovens que venceram através dos estudos ( revista Veja)Texto tirado do site:http://veja.abril.com.br/110707/p_106.shtml Blog de escoladosonhos : Professora Elisângela, Jovens que venceram através dos estudos ( revista Veja)
sábado 11 fevereiro 2012 16:12 , em PESSOAS QUE VENCERAM ATRAVÉS DOS ESTUDOS

.

.
.
Ocorreu um erro neste gadget

É O QUE TEM PRA HOJE: "POUCO PAPO E SÓ... SU-CEEEEEEES-SO!!!"



"SIGAM-ME OS BONS" - Maria Celeste Bsp | Facebook

Google+ Followers

EU SOU POLIVALENTE!

EU SOU POLIVALENTE!